Fonte: Universidade das Crianças

Sete conselhos para lidar com pragas de piolhos

Começamos com uma nota prévia.
Estes Sete conselhos para lidar com pragas de piolhos foram escritos pelas quatro mãos que alimentam este espaço, por uma razão que nos parece muito simples e fácil de entender: tentar acabar com uma praga deste gabarito é como tentar acabar com uma célula terrorista qualquer.
É preciso chamar a polícia, o exército, a Judiciária, o FBI, a CIA, a SWAT team e o que lá mais houver. Estes meninos e as suas lendeazinhas são bicheza que não se deixa intimidar por seres humanos com dez dedos nas mãos e munidos de produtos, pentes, aspiradores (já lá vamos!) e o diabo a sete.

Por essa razão e porque cada um de nós achou que este era o único título possível, contribuímos, à vez, com conselhos para quem possa vir a ter de passar por esta temível, terrível e perturbadora prova de fogo no longo caminho da existência.

Pois então. Começa a mãe.

Aos 32 anos nunca me tinha passado um piolho pelos olhos.
Não sabia sequer que forma tinham. Nada.
Nem a cor. Nem o tamanho. Nada de nada.
Certo dia, enquanto secava o cabelo à Leonor… “Mas o que é isto?
Tirei uma fotografia à coisa e mandei uma mensagem à minha mãe a perguntar-lhe se aquilo era um piolho. A resposta chegou depressa:
Oh filha, claro que não. Isso é um bicho qualquer…
(Mãe, desculpa-me, mas…)
Não fiquei lá muito convencida e pensei:
Ora, a minha mãe não vê um piolho desde os anos oitenta do século passado… O que é que a pessoa faz a seguir? Vai ao Google, pois claro.
Pesquisei e lá estava o parasita nojento!!

Próximo passo? Mandar mensagem ao Martim.

Eu, que estava na agência a trabalhar, vejo a fotografia e até me ia cuspindo. O primeiro pensamento foi: “F#d!-S%. Não acredito. Coitadinha… Mas como é que ela apanhou piolhos? Só pode ter sido na escola. Acontece, olha… paciência.

De imediato me vieram à imagem os miúdos e miúdas a quem os pais rapavam o cabelo, nos anos 80 e princípio dos anos 90, de cada vez que apareciam piolhos lá em casa. As meninas, então… pobres coitadas.
Perdiam os lindos e longos cabelos por piolho e meio.

Cortar o cabelo em casa

Sempre achei – e a Ana era da mesma opinião – que não seríamos capazes de o fazer, mas aqui para nós que ninguém nos ouve, cada vez mais me vou calando com estas coisas que acho e que depois acabam por, invariavelmente, cair por terra. Esta foi só mais uma dessas vezes.

Assim, ao fim de uma semana a lutar contra uma praga de piolhos decidimos dar um corte ao cabelo da pequenina… em casa mesmo!

Mas a mãe aproveitou a boleia e cortou também, porque não foi só a Leonor a ser atingida por este flagelo capilar. É verdade, a Ana apanhou piolhos aos 32 anos! (Enquanto digo isto, ela parte-se a rir… agora que já passou, claro!)

As duas meninas da casa infestadas e o pai… nada! =)

Nota: como é óbvio, o pai – a quem a calvície protege deste mal dos infernos – safou-se a esta “desgraça”. Sendo que ainda teve de cortar a barba, com receio que os parasitas se alojassem na mesma e o obrigassem a medidas extremas.
(Devo dizer-vos que não desfaço a barba por completo e afago o meu rosto nu desde 2006! 13 anos de barba na cara. #respect
Podem imaginar o que significaria ter piolhos na barba?? Avancemos.)

Resumindo, mãe e filha a fazer tratamento contra a piolhagem!

Como seria de esperar, a pequenina acaba por sofrer mais, uma vez que tem muito menos noção, paciência e capacidade de perceber o que é que são, verdadeiramente, os bichos que vão passeando pela sua cabecita.
Mostramos-lhe os sacanas dos piolhos a passear alegremente pelo lavatório e ela lá ficou a pensar qualquer coisa para com os seus botões e que, provavelmente, ainda não consegue descrever em palavras.

A Joana tinha-nos emprestado um pente-aspirador de piolhos! SIM, minha gente, esta pobre alma não só apanhou piolhos aos 32 anos como ainda se deu conta que existia uma coisa chamada pente-aspirador de piolhos!
Fizemos tudo o que “manda a lei”: pente-aspirador, Paranix, pente metálico para ver se os malditos ainda lá estavam… lavámos lençóis e almofadas uma quantidade absurda de vezes!
Recorremos ao truque do PicuBaby no cabelo e das gotas Tea Tree atrás das orelhas antes de ir para a escola!
TUDO! Mesmo TUDO! Demorou mais do que o esperado, mas lá conseguimos!

Mas vamos então ao que interessa!

Sete conselhos para lidar com uma praga de piolhos:

1 – Não entrar em pânico.

2 – Produtos de prevenção e tratamento

3 – Catar!

4 – Não entrar em pânico 🙂

5 – Pente-aspirador de piolhos

6 – PicuBaby no cabelo e gotas Tea Tree antes de ir para a escola

7 – Pentear muito bem o cabelo com o pente metálico

Mas afinal o que é um piolho?

Aqui fica a definição encontrada na Wikipedia (sim, eu sei que não é a fonte mais credível do planeta, mas para o que pretendo, serve na perfeição).

PIOLHOS: “(…) insetos pequenos, com aproximadamente de 0,5 a 8 mm de comprimento. (…) São ectoparasitas obrigatórios de aves e mamíferos, inclusive marinhos, como focas e leões marinhos, com alta especificidade parasitária: a maioria das espécies ocorre apenas em uma única espécie de hospedeiro.”

A minha definição: uma praga asquerosa e que testa a tua paciência aos limites, ao ponto de pensares seriamente em rapar o cabelo à miúda.

Nota: seria incapaz de fazer tal coisa. Credo. Coitadinha da minha filha, de cabelo rapado, numa versão da Sinnead O’Connor de 3 anos.

É díficil. Isso é. É difícil, sobretudo, olhar para ela e vê-la em claro sofrimento, cheia de comichão, sem a menor paciência para os tratamentos.

No dia em que publicamos este texto recebemos uma mensagem da educadora a dizer que há nova praga de piolhos na sala da pequenina!
Que a sorte esteja do nosso lado e… contra os piolhos, claro!
Bora lá!

Não é publicidade, foi a sugestão que nos deram na farmácia!

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.